top of page
Buscar
  • Foto do escritorRedação

Lições sobre Estreitamento de Vasos Sanguíneos e Segurança Clínica e Hospitalar

Em abril de 2023, o Brasil testemunhou um incidente trágico envolvendo uma passista da Grande Rio, Alessandra dos Santos Silva, que teve seu braço amputado após uma cirurgia para retirada do útero. O Hospital Heloneida Studart, em São João de Meriti, foi o cenário dessa tragédia, que levanta questões cruciais sobre segurança em procedimentos médicos. Neste artigo, examinaremos o caso e suas implicações, bem como compartilharemos a opinião do renomado Cirurgião Orofacial, Dr. Daniel Dias Machado.


Caso da Passista: Complicações e Estreitamento de Vasos Sanguíneos


De acordo com a Fundação Saúde, que administra o hospital em questão, a paciente teve uma evolução clínica desfavorável após a cirurgia. Para controlar uma hemorragia, foi necessário administrar medicação, incluindo doses elevadas de aminas vasoativas. Essas substâncias, embora destinadas a manter a pressão arterial, podem causar estreitamento dos vasos sanguíneos como efeito adverso, levando à oclusão arterial, que, por sua vez, resultou na amputação do braço da paciente.


Reflexões sobre Estreitamento de Vasos Sanguíneos e Segurança Médica


Este incidente traz à tona uma discussão crítica sobre a segurança dos procedimentos médicos, especialmente aqueles que envolvem substâncias vasoativas. O estreitamento de vasos sanguíneos é um risco real e pode ter sérias consequências. É fundamental para a comunidade médica e pacientes entender plenamente esses riscos e as medidas de segurança necessárias.


Opinião do Cirurgião Orofacial Dr. Daniel Dias Machado


Consultamos o Dr. Daniel Dias Machado, um Cirurgião Orofacial altamente respeitado, sobre o caso da passista. Ele enfatiza a importância de procedimentos médicos e estéticos serem realizados por profissionais experientes e qualificados, com profundo conhecimento da anatomia vascular e protocolos de segurança rigorosos.


Dr. Machado destaca a necessidade do consentimento informado dos pacientes, garantindo que compreendam plenamente os riscos associados aos procedimentos. A segurança do paciente deve ser sempre a prioridade, independentemente do tipo de intervenção.


Conclusão: Priorizando a Segurança em Procedimentos Médicos e Estéticos


O caso trágico da passista nos lembra da importância de abordar procedimentos médicos e estéticos com extrema cautela. A segurança do paciente deve ser priorizada, com profissionais qualificados e protocolos rigorosos.


A opinião do Dr. Daniel Dias Machado destaca a necessidade de responsabilidade e informação ao lidar com procedimentos médicos. A saúde e o bem-estar dos pacientes devem estar no centro de qualquer intervenção, e a segurança deve ser uma preocupação constante.


Em última análise, este incidente nos recorda que a medicina e a estética devem ser abordadas com responsabilidade, conhecimento e cuidado, garantindo a saúde e a segurança dos pacientes em todos os momentos.

11 visualizações0 comentário

댓글


bottom of page